Adquirir um computador intermediário ou “top de linha” é sempre uma experiência fantástica. A satisfação de ter um computador novinho e com hardware atual, capaz de realizar diversas tarefas simultaneamente ou rodar games em alto desempenho é inigualável. Dá até para sentir no ar, o “cheirinho” de computador novo.
Mas como qualquer produto tecnológico, ao passar do tempo, o computador pode se tornar obsoleto e receber uma enorme depreciação. E obviamente, ninguém quer ver seu “ investimento” escoando ralo abaixo. O que queremos é, estender ao máximo, o tempo de uso do computador.
O segredo é manter uma periodicidade de upgrade de alguns poucos componentes do seu computador, a fim que ele acompanhe a evolução das novas tecnologias em sistemas, aplicativos e jogos. Assim, você gastará somente uma fração do valor de um computador totalmente novo. Não é necessário trocar tudo. Mas quais componentes devo trocar e quais devo manter ao longo do surgimento de novas tecnologias?
Bom, hoje vamos dar a você, algumas dicas de como “fazer valer” seu investimento inicial, possibilitando que seu computador tenha a maior longevidade de uso possível, sem ficar obsoleto, gastando somente o essencial para atender às novas tecnologia que surgem a todo momento.

 

Gabinete – Escolha para toda a vida

Poucas pessoas dão importância ao gabinete. Mas este item é a base para montar seu computador e consequentemente as tecnologias o acompanharão no futuro. O ideal é comprar o gabinete pensando em não substituí-lo. Para isto, escolha um gabinete que ofereça suporte a diversos formatos de Placas-Mãe (ATX, Micro ATX, Mini-ATX,etc…). Desta maneira, caso troque de formato de Placa-Mãe no futuro, seu gabinete não precisará ser trocado. Consequentemente, mais economia para seu bolso.
As dimensões internas também são importantes. Escolha gabinetes que suportem todos os tamanhos de Placas de Vídeo, Fontes de Alimentação e CPU Cooler´s do mercado atual. A título de exemplo, vamos imaginar que você trocou seu processador e precisa agora de um sistema de refrigeração mais eficiente, como por exemplo o cooler Noctua NH-D15. Este cooler possui 165mm de altura e seu gabinete precisará oferecer este espaço interno. Gabinetes compactos são lindos e discretos, mas não são ideais para quem deseja fazer upgrades constantes devido às suas limitações físicas.
Portas, slots e conexões também são outros fatores importantes a se observar. Escolha um gabinete que já ofereça suporte à portas USB mais recentes, como USB v3.1 do tipo-A ou Tipo-C. Considere a quantidade de baias para os slots PCIe. Sete ou mais slots de expansão são sempre bem vindos. 
Verifique também a capacidade do gabinete de receber ventoinhas ou sistemas de refrigeração líquida (watercooler). Seu gabinete preferencialmente deve suportar ventoinhas de 80mm/120mm/140mm, na frente/traseira/topo. Também deve oferecer espaço para radiadores de 120/240/360mm. Caso precise adicionar algum destes componentes, seu gabinete estará preparado.

 

Placa-Mãe – Tudo de que precisa para comportar seu hardware

O componente mais importante do computador quando o assunto é upgrades futuros. Para fazer um boa compra de Placa-Mãe, considere a geração de processadores que deseja utilizar e a quantidade de interfaces (SATA, M.2, PCI Express, USB, P2 de 3.5mm, S/PDIF, RJ-45, Wi-Fi, Bluetooth e outros). 
O ideal é que você não faça upgrade de Placa-Mãe tão cedo. E para isto, você já deve comprar um modelo que atenda a todos os periféricos e componentes internos que serão conectados a ela. Garanta slots e interfaces livres para um possível upgrade de componentes, como placas de expansão, controladoras, etc.
Quanto maior a Placa-Mãe, maior a quantidade de componentes suportado, incluindo capacidade de memória e unidades de armazenamento. Um modelo de Placa-Mãe ATX por exemplo, é capaz de receber mais upgrades de componentes que um modelo micro ATX ou mini ITX. Existem modelos ainda maiores como por exemplo o padrão E-ATX. Pense nisto no momento da compra.
A capacidade total de memória (RAM) suportada, a quantidade de slots e o suporte a diferentes frequências de operação,  também devem ser consideradas na hora da compra.

 

Unidade de armazenamento – Espaço adequado para cada tipo de necessidade

Escolha unidades de armazenamento (HDD) com base na sua carga mensal de arquivos adicionados. Sejam filmes, fotos, games ou arquivos de trabalho e estudo, todos precisam ser guardados. 
Considere uma unidade de armazenamento somente para o “arquivo morto” que são aqueles arquivos que dificilmente ficamos consultando. 
Comprar uma unidade de armazenamento, prevendo a adição constante de arquivos com base no seu uso mensal, fará que você economize dinheiro e evitar a comprar de uma unidade de armazenamento adicional.
Atualmente existem diversas capacidades de HDD como 1TB, 2TB, 4TB, 8TB, 10TB, 12TB, 16TB, etc.
Para o sistema operacional, considere uma unidade SSD de alta velocidade. Unidades SSD no padrão M.2 NVMe PCIe são as mais rápidas da atualmente e isto garantirá seu uso por longos anos. Compre um modelo de 256GB e será mais do que suficiente para o sistema operacional e suas aplicações, sem ter que trocar futuramente.

 

Placa de vídeo – Performance aceitável pelo maior tempo possível

O que é mais importante para um gamer? Jogos! E jogos sendo exibidos em alto desempenho, com boas taxas de quadros por segundo e gráficos exuberantes. Se você é um gamer, este componente deve ser escolhido com base em suas preferências. Gosta de resoluções altas em 4K Ultra HD ou prefere desempenho a altas taxas de quadros por segundo? Esta é a “pergunta chave” na hora de comprar uma placa de vídeo.
Algumas placas de vídeo do segmento de “entrada” e todas as placas de vídeo “intermediárias”, darão conta do recado, se você priorizar baixas resoluções e boas taxas de quadros. Porém, somente uma placa “top de linha” suporta altas resoluções de 2.5K ou 4K.
Seja qual for o seu perfil, escolha sempre um modelo que opere com certa “folga” na resolução e taxas de quadros desejadas. As recomendações de hardware do seu game preferido, poderão ser vistas no site da desenvolvedora. Use-os para definir a escolha de modelo de placa de vídeo.
O ideal aqui é comprar um placa de vídeo que fique o maior tempo possível em uso, com boa performance, à medida que novos jogos forem lançados. Se o novos jogos começarem a exigir mais da sua placa de vídeo, a ponto de lhe incomodar visualmente, o ideal é vender a mesma antes da sua depreciação no mercado. Assim você recupera parte do investimento e paga somente a diferença de valor na nova placa de vídeo.

 

Fonte de alimentação – Energia de sobra

A potência total, medida em watts, em uma fonte de alimentação (PSU), deve suportar toda a configuração de hardware do seu computador. Mas não é só isso. Recomenda-se uma margem de pelo menos 30% de potência livre, para que esta fonte possa comportar por exemplo, um upgrade de uma nova placa de vídeo que eventualmente tenha um maior consumo de energia.
Se você comprar uma fonte de alimentação (PSU) com margem de potência livre para upgrades, será mais um componente que dificilmente você precisará gastar dinheiro no futuro substituindo-a.
Sistemas atuais estão requerendo fontes a partir de 650W de potência. Que tal comprar uma única fonte para uso por longos anos, evitando trocas futuras? Considere fontes de 750W ou superiores, para que você jamais tenha que pensar em gastar dinheiro com fonte novamente. 

 

Processadores – Precisa ser “bom” e “barato”

Processadores são os componentes de hardware que rapidamente se tornam obsoletos. Enquanto processadores “ top de linha” são caros demais e quase inacessíveis para o consumidor brasileiro, os processadores de “entrada” dificilmente vão dar conta do recado em aplicações pesadas e jogos modernos. 
Em outras palavras, o preço dos processadores não é proporcional ao seu desempenho. Às vezes,um processador “top de linha” não apresenta uma boa relação custo x benefício.
O segredo é escolher os processadores “ intermediários” com larga margem para overclock e desempenho bem próximo dos modelos mais caros. (Exemplo: Intel Core i5-9600K de 9ª geração de processadores Intel)
Saiba que, toda geração de processadores, possui um modelo que é digamos… a “ menina dos olhos” daquela linha, com excelente custo x benefício.
Se seu perfil de usuário for atendido por um processador “ intermediário”, este lhe servirá por vários anos, sem a necessidade de upgrade. Pense em trocar de processador, somente em casos extremos, onde alguma aplicação exige uma certa quantidade de núcleos ou um certo valor mínimo de clock.

 

Memória (RAM) – Somente o que minhas aplicações requerem

Aqui o upgrade é livre. Alguns games atuais já estão requerendo 16GB de RAM para um bom funcionamento. Este deve ser seu ponto de partida. Lembra-se de quando falamos da importância dos slots disponíveis para memória na Placa-Mãe? Pois bem… é neste momento que isto lhe será útil. Se precisar de mais RAM, basta adicioná-las nos slots livres.
Mas lembre-se. Gaste com a aquisição de mais módulos de memória, somente se suas aplicações e jogos exigirem. As memórias não garantem uma performance maior, apenas atender aos requisitos da aplicação. 

 

Conclusão

O segredo de um computador moderno e com suporte a tecnologia atuais é o upgrade constantes de alguns poucos componentes, em conjunto com a escolha bem dimensionada de outros itens de hardware.
Para os itens como placa de vídeo e processador, faça upgrades assim que a performance começar a não mais atender às suas necessidades. E mesmo que atenda com boa performance, fique de olho no mercado. Com o lançamento de novos produtos, seu processador ou placa de vídeo pode perder muito valor de mercado. Venda-os antes de uma depreciação maior que 40% para que você possa utilizar este parte deste dinheiro no próximo upgrade.
Se esperar demais para se desfazer destes itens, dificilmente você conseguirá vendê-los a um preço razoável e pode ser quem nem vale a pena vendê-los.
Fique atento também às mudanças de arquitetura de Placas-Mãe e processadores. Mudanças de geração podem vir acompanhadas de incompatibilidade entre as mesmas. Se você perceber que sua geração de processador já não é mais compatível com a atual e está ficando para trás rapidamente, não demore demais para fazer um upgrade que possa melhorar consideravelmente a relação custo x benefício para você.
Já outros itens podem ser utilizados por tempo indeterminado. Alguns deles são o gabinete, unidades de armazenamento, módulos de memória e fonte de alimentação. Mesmo que optar adquirir modelos mais baratos possa parecer interessante no momento, a longo prazo, gastar 2x no mesmo item somente para permitir um upgrade, não é nada inteligente.

 

Esperamos que faça proveito de nossas dicas. E se precisar consultar alguém realmente entendido em upgrades e comprar componentes bem dimensionados, conte com nossos vendedores. Eles também são fanáticos por tecnologia e terão o maior prazer em atendê-los.
Acesse: www.waz.com.br

Comentários

Comentários