Vez ou outra a tecnologia nos apresenta inovações que flertam com produtos imaginados apenas em filmes ou nos episódios dos Jetsons. Produtos que de tão incríveis parecem não serem reais. E é neste grupo se encaixa o projeto WILLda Wacom.

Mesmo com o crescimento dos smartphones e tablets, ou até antes, com os computadores e notebooks, o papel e caneta não perderam força. Ainda que muitos acreditassem que aos poucos eles seriam substituídos, o que se vê na verdade é que eles ganharam um papel um pouco diferente: agora são mais usados para rápidas anotações, trabalhos criativos, desenhos e outras coisas mais. A criação de conteúdo segue forte nos dois mundos, analógico e digital, ainda que eles permaneçam um pouco separados, pela própria dificuldade em unir os dois.

Agora, com o surgimento da WILL, as coisas podem mudar. Gesto e máquina prometem interagir em um nível completamente novo. Curioso? Acompanhe nosso artigo sobre como esse projeto pode revolucionar a criação de conteúdo.

O que é a WILL

WILL é o anacrônico de Wacom Ink Layer Language– numa tradução livre algo, como uma linguagem de camada de tinta da Wacom. Apesar da definição aparentemente complexa, seu funcionamento é muito simples: WILL é um conjunto que visa padronizar como gestos, sejam eles feitos por canetas digitais, mouses ou dedos numa touchscreen sejam interpretados corretamente em qualquer aparelho.

Seria algo muito simples, mas WILL nasceu com grandes ambições. É a primeira linguagem de programação para canetas digitais. A ideia da Wacom é criar um ecossistema de aplicativos desenvolvidos para o gesto. A partir de um SDK, que é um kit de desenvolvimento, qualquer pessoa pode criar seu próprio aplicativo para interagir com todos os outros que o adotam.

wacom-will-2-820x420

Infinitas possibilidades

A partir do SDK da WILL será possível criar aplicativos que aceitem assinaturas digitais diretamente na nuvem, por exemplo. Ou então aplicativos -para qualquer aparelho- que utilizem as canetas e tablets como dispositivo de entrada. Um bom exemplo é o primeiro aplicativo criado pela própria Wacom. Com duas WILL, uma nos EUA e outra na Europa, foi possível escrever em manuscrito um mesmo documento. Em tempo real.

As possibilidades são infinitas. Com um mundo cada vez mais digital e conectado, a assinatura de contratos pode ser completamente on-line. Já que a WILL permite a validação da assinatura de cada usuário, é muito difícil fraudar o sistema. E esses são apenas dois exemplos. Podemos estar diante do nascimento de um sem número de novas possibilidades!

Um pouco de história

Canetas digitalizadoras não são inovações recentes. A própria Wacom já oferece excelentes alternativas, como as Bamboo e Intuos, algumas profundamente integradas a softwares consagrados, como o Photoshop e Painter. A Evernote recentemente adotou também a introdução de conteúdo gestual, mas por enquanto nenhuma delas oferece uma estrutura tão completa. O principal: cada uma delas é fechada em si mesma, incapaz de interagir com outros softwares, aparelhos e ecossistemas.

A moda das canetas digitalizadoras surgiu com os designers cansados do processo de escanear seus trabalhos feitos a mão. A evolução de ferramentas de edição já vinha trazendo mão e máquina cada vez para mais perto um do outro. Agora, com o projeto WILL, podemos estar dando o primeiro passo para um uso universal deste tipo de interação.

A partir do momento que qualquer dispositivo pode receber e interpretar corretamente os gestos feitos em qualquer outro aplicativo que adote o WILL, é possível criar uma maneira nova de interagir com nossos computadores, tablets e smartphones.

Será que em alguns anos estaremos finalmente escrevendo nossos SMSs e atualizações de Facebook em vez de digitá-las? Teremos cadernos virtuais, onde poderemos compartilhar e colaborar nas nossas anotações com o mundo inteiro? Só o futuro dirá. E estamos loucos para ver o que vai acontecer!

E você leitor? Já faz uso de canetas e digitalizadores com seus aparelhos? O que acha desta história? Não se esqueça de deixar seu comentário!


Comentários

Comentários